Acidentes de Trabalho e Justiça - ASPY Prevención

O Ministério Público do Trabalho (MPT) ajuizou ação civil pública contra a União questionando a revisão das normas regulamentadoras (NRs) de saúde e segurança do trabalho.

Entre as propostas de revisão apresentadas pelo governo federal em 2020, encontram-se a alteração dos serviços de engenharia de segurança e medicina do trabalho nas empresas e a extinção da insalubridade por agentes biológicos [1].

As NRs são o conjunto de regras que devem ser observadas por todos os empregadores para assegurar o meio ambiente de trabalho seguro e saudável. Graças a elas, estima-se que foram evitados cerca de 8 milhões de acidentes de trabalho e 46 mil mortes no Brasil entre as décadas de 1970 e 2010. Além disso, elas são muito importantes para evitar a submissão de empregados a condições degradantes de trabalho, uma das modalidades de trabalho escravo contemporâneo.

Reclamação do MPT

Segundo o MPT, as normas têm sido modificadas de forma muito acelerada, com pouco diálogo com a sociedade e sem o cumprimento de requisitos estabelecidos pela legislação, como a elaboração de análise de impacto regulatório, plano de trabalho e plano de implementação. Somente nos últimos cinco meses, seis NRs foram alteradas, e reuniões para esse fim têm sido marcadas mesmo durante a pandemia de coronavírus.

Os procuradores do MPT defendem que, “em um procedimento cauteloso de modificação de qualquer regulamentação técnica (em especial quando está em jogo a prevenção de doenças e acidentes), deveria ser ajustado calendário de modo que as discussões ocorram assegurando o debate técnico, permitindo, em respeito ao princípio democrático e ao diálogo social, uma ampla discussão pública e o envolvimento de pesquisadores acadêmicos e cientistas”.

Insalubridade por calor

A ação pede, ainda, a nulidade da Portaria nº 1.359/2019, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a qual alterou o anexo 3 da NR-15 e eliminou o direito ao adicional de insalubridade por calor para trabalhadores a céu aberto, incluindo a área rural e a construção civil.

A ação aponta que a portaria viola o direito constitucional ao adicional de insalubridade e gera discriminação entre trabalhadores expostos ao calor. Isso porque, a partir de sua edição, “cortadores de cana-de-açúcar submetidos a idêntico risco físico à saúde (calor), com igual ou, até mesmo, maior intensidade (temperatura), usando vestimentas mais pesadas e com tarefas mais extenuantes que empregados de fábricas ou escritórios não mais serão tidos, ao contrário destes últimos, como expostos à insalubridade”, segundo os procuradores.

A ação também destaca que, ao determinar, sem base científica, que o calor não gera insalubridade em ambientes externos, a Portaria nº 1.359/2019 gera a preocupante possibilidade de que gestantes e adolescentes possam ser submetidos a condições que sempre foram consideradas insalubres, como elevadas temperaturas, com perigo à saúde deles e aumento riscos de abortos e partos prematuros.

__________

Fonte: Ministério Público do Trabalho, Procuradoria-Geral do Trabalho – publicado em 14/04/2020.

[1] Nota Técnica do Eng. Rone Antônio de Azevedo:

Em 2019, também ocorreram diversas alterações significativas em normas relativas à inspeção e fiscalização do trabalho. Foi revogada a NR 2 relativa à inspeção prévia por fiscais do trabalho para abertura de estabelecimentos ou mudanças em instalações e processos produtivos. A NR 3, referente ao embargo de obras e interdição de máquinas ou equipamentos, dificultou bastante a atuação mais célere e diligente dos auditores fiscais ao impor utilização de matrizes para caracterização de níveis de risco em situações de trabalho diferenciadas.

Quer saber mais sobre este assunto?

Na publicação “Está Tudo sob Controle? A Segurança do Trabalho nas Organizações” você encontrará muitas informações detalhadas – clique aqui para acessar.